O Perigo das Notícias

Geralmente nos preocupamos com o efeito negativo da mídia sobre crianças e adolescentes (síndrome da terceira pessoa). Mas, como adultos também estamos expostos a esse perigo.

O PERIGO DAS NOTÍCIAS

As notícias são vitais para a democracia. Além de informar, elas servem como uma defesa contra o governo e grandes corporações a fim de proteger o público contra abusos de poder. Mas, elas escondem alguns riscos.

#Fakenews. Diferente do passado, hoje as pessoas se informam principalmente através das redes sociais e aplicativos como o Whatsapp. Quem não está acostumado com esses novos meios corre o risco de acreditar e compartilhar informações falsas com a boa intenção de prestar serviço a família e a sociedade.

#Miopia. Alguns sites de notícias (agregadores) utilizam algoritmos que filtram apenas o que o usuário tem maior interesse. O problema é que eles cegam o usuário para outras realidades.

#Enquadramento.  Existe o risco de que quem produz a notícia destaque alguns fatos que tem mais interesse enquanto oculta outros.  Essa abordagem molda a informação e propositalmente rejeita a totalidade da realidade.

#Violência. Alguns noticiários se orgulham em mostrar a vida como ela é e apresentam cenas reais de violência e brutalidade. Estudos revelam que esse tipo de exibição contribui mais para o aumento da violência que os filmes de ficção.

#Dessensibilização.  É um efeito que ocorre quando a exposição repetida diminui a intensidade emocional da resposta do espectador. Exemplo, quanto mais nos acostumamos com cenas de violência, sexo, tragédias e corrupção, menos nos incomodamos com isso.

#Distorção. As organizações de comunicação têm interesses econômicos, políticos e filosóficos. A notícia que produzem será moldada por esses interesses.

#Sensacionalismo. Para atrair a atenção de mais pessoas e a receita dos anunciantes, muitos produtores de conteúdo amplificam os fatos e exageram na exibição de sensualidade e violência.

CONCLUSÃO

Existe uma forte tensão entre a realidade dos fatos e o interesse de quem controla a produção da informação. Isso afeta a veracidade da narrativa e a reação da sociedade.  

Antes de confiar no que se lê ou se assiste é importante analisar a mensagem e as intenções de quem produziu.


Como analisar as notícias

  1. Mensagens: Qual é o conteúdo e as principais ideias das informações que estão sendo expressas?
  2. Valores das notícias: Por que foi publicado? Quais valores de notícias são mais relevantes para esta história em particular?
  3. Audiência e Contexto: Quem é o público-alvo? Que tipo de conhecimento prévio é necessário para dar sentido a esta notícia?
  4. Técnicas de construção: Como a linguagem, imagens e som são usados para construir esta notícia? Como são utilizadas metáforas, símbolos e estratégias retóricas para atrair a atenção do público e ativar respostas emocionais?
  5. Contextos: Onde, quando e como as pessoas têm encontrado esta mensagem? Como isso pode afetar sua interpretação?
  6. Credibilidade: Que tipo de mensagem de mídia de notícias é esta, e que características distintivas são usadas na história para comunicar credibilidade?
  7. Omissões: Que perguntas você tem depois de ler e analisar esta história?
  8. Julgamento: Como as informações contidas nesta história fazem sentido para você? O que você vê como os pontos fortes e as limitações desta história?

REFERÊNCIAS

Potter, W. James. Media Literacy. SAGE Publications. Edição do Kindle.

Hobbs, Renee. Media Literacy in Action. Rowman & Littlefield Publishers. Edição do Kindle.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: